Qualidades e defeitos

As qualidades e os defeitos são avaliações qualitativas que se utilizam para descrever uma pessoa, com base em certas considerações e características que servem de referência.

  • Virtudes ou qualidades. São traços do indivíduo que se consideram positivos, dignos e desejáveis. Por exemplo: a generosidade, a bondade e a constância.
  • Defeitos. São traços ou características indesejáveis de uma pessoa que geralmente trazem consequências negativas para o indivíduo e seu ambiente. Por exemplo: a arrogância, a inveja e a teimosia.

Em muitos casos, as qualidades ou os defeitos podem vir inatos na pessoa e ser considerados traços próprios da personalidade. No entanto, são também hábitos adquiridos, o que implica que uma pessoa pode exercitá-los e incorporá-los. Uma qualidade ou um defeito pode ser usado para descrever a personalidade de um indivíduo ou um ato ou atitude concreta. Por exemplo: Ana teve uma atitude muito irresponsável ao faltar a aula, o que chama a atenção porque ela não se caracteriza por ser uma pessoa irresponsável.

A Igreja católica contempla três virtudes teologais: a fé, a esperança e a caridade, e quatro virtudes cardeais: a temperança, a fortaleza, a prudência e a justiça. Por sua vez, aponta uma série de defeitos, chamados pecados capitais, que são a ira, a gula, a luxúria, a preguiça, a soberba, a avareza e a inveja. Em outras tradições religiosas ou culturais, ao contrário, as qualidades e os defeitos podem ser outros.

Exemplos de qualidades

  1. Prudência. É a capacidade que alguns indivíduos têm de avaliar as opções disponíveis antes de tomar uma decisão, apostando sempre na opção mais segura e correndo o menor risco possível.
  1. Honestidade. É a capacidade de dizer a verdade, mesmo quando isso signifique riscos ou perdas para o indivíduo.
  1. Lealdade. É a capacidade de compromisso e sacrifício que uma pessoa tem frente a uma causa, uma pessoa ou uma relação. A lealdade implica privilegiar o que é leal por cima dos benefícios do momento.
  1. Generosidade. É a capacidade de compartilhar o seu com o próximo.
  2. Empatia. É a qualidade que um indivíduo tem de se relacionar com outro, conhecer suas emoções e sentimentos e compreendê-los. Uma pessoa empática geralmente presta atenção e escuta e tem facilidade de se conectar com situações alheias.
  1. Respeito. É a capacidade de tratar e relacionar-se com outros indivíduos ou coisas, reconhecendo seu valor e tolerando as diferenças.
  1. Compromisso. É a qualidade que uma pessoa tem de realizar seus objetivos ou os objetivos de seu grupo.
  1. Resiliência. É a capacidade de um indivíduo de superar os eventos traumáticos ou dolorosos sem sofrer demasiado, convertendo-os em ensinamentos e positivando a lembrança do ocorrido.
  1. Retidão. É a virtude que implica não se desviar do caminho moralmente correto.
  1. Confiança. É a força interior que tem um indivíduo, o talento para acreditar no que se faz e confiar nele, contra as adversidades ou as opiniões alheias.
  1. Compaixão. É a capacidade de um indivíduo de se comover ante a dor alheia, ou seja, de padecer junto com o outro as penúrias que sofre. É um atributo valorizado por religiões e códigos morais de solidariedade e fraternidade entre os seres humanos.
  1. Destreza. É a competência de um indivíduo na realização de uma tarefa determinada, seja física (como um atleta) ou mental (um gênio da matemática). A destreza refere-se ao controle, à rapidez e ao equilíbrio com que se realiza uma tarefa.
  1. Pontualidade. É a qualidade que implica estar disponível a tempo e responder pontualmente aos compromissos assumidos. É uma característica muito apreciada já que implica o respeito pelo tempo das outras pessoas.
  1. Serenidade. É a qualidade que se refere à calma interior, ao temperamento moderado para enfrentar as situações, inclusive quando se trata de uma emergência ou algo urgente.
  1. Paciência. É a qualidade que tem um indivíduo de esperar de maneira calma frente aos contratempos ou limitações que possam surgir.
  1. Temperança. É uma virtude que implica a moderação nas ações e atitudes.
  1. Solidariedade. É a qualidade que tem aquele indivíduo que pode se oferecer para ajudar frente às necessidades alheias. Uma pessoa solidária é aquela que entrega seu tempo, capacidades ou bens a uma causa sem esperar nenhuma retribuição concreta.
  1. Fidelidade. É a qualidade que tem um indivíduo de permanecer firme e disponível frente a vínculos, causas e objetivos.
  1. Justiça. É a virtude que convida a agir segundo o princípio que supõe dar a cada um o que lhe corresponde. Uma pessoa justa age de maneira correta e equitativa.
  1. Sabedoria. É o conjunto de conhecimentos que obtém um indivíduo por meio do estudo e das experiências.
  1. Valentia. É a capacidade de agir com coragem diante de situações difíceis ou desafiadoras. Uma pessoa valente enfrenta os medos em vista da concretização de um objetivo.
  1. Otimismo. É a qualidade que uma pessoa tem de buscar e focalizar no aspecto positivo das situações ou experiências.
  1. Gratidão. É a capacidade de um indivíduo de mostrar-se agradecido frente às situações e oportunidades da vida. As pessoas agradecidas reconhecem os benefícios recebidos e agradecem por eles.
  1. Esperança. É a virtude que implica confiar na possibilidade de realizar determinados objetivos ou de acontecer algo que se considere positivo ou necessário. As pessoas com esperança tendem a ser muito otimistas.
  1. Amabilidade. É a qualidade que representa os indivíduos que são serviçais, considerados, respeitosos e solidários com as outras pessoas.
  1. Companheirismo. É a capacidade de um indivíduo manter-se fiel a um vínculo com outra pessoa, acompanhá-la e apoiá-la na busca de objetivos.
  1. Determinação. É a capacidade que tem um indivíduo de colocar um objetivo e dar tudo de si para consegui-lo.
  1. Disciplina. É a qualidade que implica aderir a determinados hábitos ou atitudes que, com o tempo, ajudam a alcançar um objetivo.
  1. Transparência. É a qualidade de uma pessoa que se mostra aos outros tal como é. Os indivíduos que se caracterizam pela sua transparência são geralmente pessoas honestas, sinceras e responsáveis.
  1. Humanidade. É a qualidade que apresentam os indivíduos que simpatizam com outras pessoas e se mostram compreensivas e solidárias com elas.
  1. Obediência. É a qualidade que implica cumprir com os deveres, normas ou regras que se impõem dentro de um grupo ou organização, na família, na escola ou na sociedade no seu conjunto.
  1. Inteligência. É a faculdade que têm os indivíduos de pensar, raciocinar e relacionar ideias e conceitos e atuar em função deles. A inteligência pode ser mental ou emocional.
  1. Flexibilidade. É a capacidade de adaptação dos indivíduos frente a um desafio ou a um imprevisto. As pessoas capazes de produzir esquemas novos e improvisados são geralmente flexíveis.
  1. Pulcritude. É a qualidade que se refere à difusão com que se realiza uma tarefa.
  1. Rapidez. É a disposição que um indivíduo tem para que as coisas se cumpram rápida e eficazmente. Pedir rapidez significa pedir um esforço extra para que as coisas fluam com velocidade.
  1. Confiança. É a qualidade que uma pessoa tem quando é confiável, ou seja, quando é alguém em quem se pode confiar e depender porque cumpre com seus compromissos, promessas e palavras da melhor maneira possível.
  1. Versatilidade. É a capacidade de uma pessoa para desempenhar diversos ofícios ou papéis, sem se limitar a um exclusivo. Um trabalhador versátil, por exemplo, pode ocupar diferentes cargos com igual eficácia.
  1. Tenacidade. É o empenho que um indivíduo faz em conseguir as coisas que se propõe e que lhe impede de render-se ante as dificuldades.
  1. Liderança. É a capacidade que uma pessoa tem de inspirar outras pessoas, encorajá-las a empreender um objetivo comum e orientá-las positivamente para uma tarefa.
  1. Originalidade. É a capacidade que tem um indivíduo de ser autêntico, de não imitar outras pessoas e nem copiar padrões externos, obedecer aos impulsos criativos que provêm do interior.

Exemplos de defeitos

  1. Soberba. É a característica que uma pessoa tem quando é incapaz de ver suas próprias limitações ou fraquezas e atua de maneira onipotente diante das outras pessoas. Pode levar a atitudes desrespeitosas e a maus-tratos.
  1. Autoritarismo. É a tendência a agir de forma déspota e dominante sem levar em conta as opiniões ou desejos alheios e impondo os próprios de forma abusiva.
  1. Irresponsabilidade. É o defeito que implica não cumprir com os deveres ou com aquilo que o indivíduo havia aceitado e se havia comprometido a realizar.
  1. Cinismo. É a ação de defender práticas e atitudes que têm sido desaprovadas pelo comum das pessoas, como mentir ou roubar. Uma pessoa cínica sabe que o que faz é errado, mas não se arrepende e nem mostra vergonha.
  1. Egocentrismo. É aquela característica que manifesta uma pessoa quando seu mundo de interesses gira exclusivamente em torno de si mesma.
  1. Egoísmo. É a atitude que têm os indivíduos quando agem somente para o benefício próprio sem levar em conta o impacto que o fato poderá ter nas demais pessoas.
  1. Perfeccionismo. É a atitude do indivíduo que busca encontrar a perfeição em tudo o que realiza.
  1. Intolerância. É a tendência a não levar em conta, atacar ou desprestigiar as opiniões ou pontos de vista alheios e só considerar como válidos os próprios.
  1. Orgulho. É a atitude que uma pessoa tem quando se considera superior aos outros e exibe de forma constante e desmedida suas conquistas ou bens e não aceita pontos de vista diferentes.
  1. Corrupção. É a facilidade que tem um indivíduo para se corromper, ou seja, para realizar atos cruéis ou ilegais, trair, mudar o caminho em prol do ganho pessoal imediato, entre outros. A corrupção é o oposto da retidão.
  1. Deslealdade. É a falta de lealdade ou de capacidade de traição de uma pessoa. As pessoas desleais tendem a colocar os seus interesses pessoais de momento acima dos compromissos assumidos com terceiros ou instituições.
  1. Covardia. É a falta de ousadia, de audácia e de coragem que um indivíduo tem e que pode expressar-se de muitas formas, por exemplo, quando uma pessoa não pode assumir uma tarefa de risco ou levantar a própria voz para se defender.
  1. Loucura. Também conhecida como teimosia, é o empenho desmedido em defender uma crença ou ação, apesar de que outras pessoas estejam advertindo as falências ou erros no pensamento ou na ação.
  1. Ignorância. É a atitude que uma pessoa tem quando fala e afirma coisas a respeito de uma matéria que desconhece.
  1. Crueldade. É a atitude que uma pessoa tem quando desfruta da dor alheia ou quando é capaz de gerar dor nas outras pessoas sem compadecer-se.
  1. Antipatia. É a atitude que implica colocar uma distância ou rejeição em relação a outras pessoas. A antipatia é muito desprezada no mundo das relações sociais e do protocolo.
  1. Preguiça. É a ausência de energias ou a má disposição de uma pessoa para realizar as tarefas pendentes.
  1. Mesquinhez. É um defeito semelhante ao egoísmo, que implica não compartilhar com os demais nada do que se tem ou mostrar ser mesquinho ao fazê-lo.
  1. Desonestidade. É a propensão à mentira e a ocultar informação em busca de um benefício pessoal, apesar de que isso possa significar um dano a terceiros.
  1. Falta de jeito. É uma característica que implica uma falta de destreza ao realizar uma tarefa ou ao comunicar-se, ou seja, fazê-lo de maneira tosca, abrupta, irregular, muitas vezes prejudicando terceiros ou danificando materiais sem ter a intenção expressa de fazê-lo.
  1. Fraqueza. É a ausência de forças, que podem ser físicas ou vitais, para realizar determinadas tarefas ou desafios.
  1. Indiferença. É a característica que as pessoas têm quando são indolentes e que não prestam atenção a uma temática específica, geralmente, ao sofrimento de outras pessoas ou a causas consideradas importantes, públicas e transcendentais.
  1. Arrogância. É o contrário da humildade e é um defeito que consiste em vangloriar-se do que se tem, seja material ou de outra natureza.
  1. Falta de cuidado. É uma característica do indivíduo que implica a falta de cuidado no que se faz, ou seja, realizar as tarefas de maneira desordenada, suja ou pouco coordenada.
  1. Incompetência. É a falta de perícia ou de talento para realizar uma tarefa específica ou para realizar algum compromisso assumido.
  1. Conservadorismo. É aquela característica própria do indivíduo que manifesta temor à mudança e à renovação e que se lhe opõe veementemente sem pensar nisso de maneira honesta e aberta, inclusive quando a mudança poderia ajudá-lo ou favorecê-lo.
  1. Pessimismo. É o defeito que tem uma pessoa que sempre focaliza seu olhar e energia no lado negativo dos fatos e situações. O pessimismo é o contrário do otimismo.
  1. Hipocrisia. É a característica que as pessoas têm quando não são honestas com suas qualidades ou intenções.
  1. Negação. É a atitude que os indivíduos têm quando se resistem a aceitar os fatos ou coisas tal como são e procuram mudá-las ou se mostram pessimistas, teimosos ou agressivos.
  1. Ira. É a atitude que um indivíduo tem quando se manifesta de maneira agressiva e violenta, muitas vezes a ira é desmesurada porque não tem correlação com o estímulo que a desencadeia.
  1. Agressividade. É a tendência de uma pessoa a agir de maneira violenta frente a determinadas situações. A agressão pode ser física ou verbal e pode colocar em risco terceiros.
  1. Irritabilidade. É a atitude de um indivíduo que se irrita diante de determinadas situações e costuma fazê-lo de forma desmesurada.
  1. Fanatismo. É a tendência a manifestar uma atitude apaixonada frente a uma causa ou pessoa. O fanatismo é frequentemente desmesurado e irracional que pode levar o indivíduo a colocar o seu fanatismo acima de outras causas ou situações.
  1. Desconsideração. É a atitude que tem uma pessoa quando se mostra desrespeitosa ou não presta atenção a uma situação ou pessoa que o mereça.
  1. Individualismo. É a disposição a considerar apenas os interesses ou motivações próprias sem contemplar a opinião ou necessidades das outras pessoas.
  1. Imprudência. É a tendência que um indivíduo tem de agir impulsivamente e sem considerar as consequências dos atos.
  1. Conveniência. É a atitude que uma pessoa tem quando utiliza os recursos ou a ajuda de alguém somente para seu próprio benefício.
  1. Superficialidade. É a atitude de observar e analisar as coisas, pessoas ou situações de um ponto de vista superficial e sem aprofundar os fatos.
  1. Avareza. É o defeito que supõe adquirir bens materiais de forma desmedida sem compartilhá-los com as outras pessoas.
  1. Rancor. É o sentimento que um indivíduo manifesta quando recebe uma ofensa ou dano e não pode superar, atacando com frequência o seu emissor.

Continue com:

Como citar?

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

, Equipo editorial, Etecé. Qualidades e defeitos. Enciclopédia de Exemplos, 2023. Disponível em: https://www.ejemplos.co/br/qualidades-e-defeitos/. Acesso em: 26 fevereiro, 2024.

Sobre o autor

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ).

Data de publicação: 29 junho, 2023
Última edição: 6 julho, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)