10 Exemplos de
Inteligência emocional

A inteligência emocional é a capacidade de identificar, compreender e gerir as emoções. É uma habilidade que permite levar um ritmo de vida equilibrado, já que facilita a boa comunicação com as outras pessoas e a confiança para se expressar e concentrar-se nos objetivos mantendo o autocontrole. Por exemplo: ser flexível perante situações inesperadas, escutar com atenção as outras pessoas, resolver problemas.

O conceito de inteligência emocional se baseia na teoria das inteligências múltiplas apresentada por Howard Gardner (1943) no início da década de 1980. Nela, descrevem-se oito tipos de inteligência, entre os quais se encontram a interpessoal e a intrapessoal, ambas relacionadas com a gestão das emoções.

Mais tarde, o psicólogo norte-americano Daniel Goleman (1946) considerou que estes dois tipos de inteligência conformam a inteligência emocional, e definiu esta última como a capacidade de dirigir e equilibrar os estados emocionais.

Desde então, a inteligência emocional tem sido estudada por diversas áreas, como a psicologia, a educação e as neurociências. Além disso, promoveu-se a educação emocional como parte necessária no desenvolvimento integral das pessoas, sobre a base de que as habilidades vinculadas com ela podem ser ensinadas e aprendidas. Por exemplo: a perseverança, o autocontrole, a automotivação.

Componentes da inteligência emocional

O objetivo de desenvolver a inteligência emocional não é modificar as emoções, mas sim a forma como se reage a elas. As pessoas que desenvolvem uma alta inteligência emocional são capazes de dimensionar as sensações que experimentam de forma mais equilibrada, por isso podem geri-las adequadamente.

A inteligência emocional se organiza em cinco competências ou habilidades, divididas em dois grupos de aptidões. Elas são:

Aptidões pessoais

  • Identificar as próprias emoções. É a capacidade de avaliar as emoções, sua origem e como influem no comportamento. Por exemplo: uma pessoa que sabe que quando está cansada tudo lhe incomoda, e isso a ajuda a não se zangar com outras pessoas nesse momento.
  • Regular as emoções. É a possibilidade de gerenciar alguns impulsos ou reações. Permite adaptar as emoções a um determinado momento e contar com recursos para diminuir as sensações não prazenteiras. Por exemplo: uma criança que está entediada e não tem com quem brincar, e decide fazer uma torre com todos os seus blocos.
  • Motivar a si mesmo. É a habilidade de impulsionar a si mesmo a cumprir objetivos, reconhecer oportunidades e atuar com responsabilidade. Por exemplo: uma pessoa que decide usar seus conhecimentos de jardinagem para começar um empreendimento próprio.

Aptidões sociais

  • Identificar as emoções das outras pessoas. É o reconhecimento das emoções alheias e do desenvolvimento da empatia. Permite se colocar no lugar das outras pessoas e agir em consequência disso. Por exemplo: uma pessoa que fica feliz porque sua amiga conseguiu uma conquista importante.
  • Manejar relacionamentos. É a capacidade de se relacionar adequadamente com as outras pessoas. Possibilita motivar e influenciar outras pessoas e manter uma boa comunicação. Por exemplo: um professor que escuta atentamente os seus alunos.

Exemplos de inteligência emocional

Algumas diretrizes nas quais se percebe que uma pessoa desenvolveu inteligência emocional são:

  1. Compreende que as experiências pessoais nem sempre podem se generalizar e leva em consideração as individualidades.
  2. Pensa em suas reações impulsivas, tenta interpretá-las e aprender com elas.
  3. Pode expressar suas emoções para pessoas em quem confia.
  4. Reconhece os seus erros e procura evitá-los no futuro.
  5. Dedica tempo para refletir sobre si mesma e pode diferenciar as suas emoções.
  6. Entende que todas as emoções são válidas e não se julga a si mesma nem aos outros por experimentá-las.
  7. Valoriza as conquistas dos outros.
  8. Mostra sensibilidade em relação aos sentimentos das outras pessoas.
  9. Usa uma linguagem clara para expressar o que lhe acontece.
  10. Responde positivamente a novas ideias.

Continue com:

Referências

  • Bisquerra, R. (2010). Educación emocional y bienestar. Wolters Kluwer.
  • Goleman, D. (1995). Inteligencia emocional. Kairós.

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GÓMEZ, María Inés. Inteligência emocional. Enciclopédia de Exemplos, 2024. Disponível em: https://www.ejemplos.co/br/inteligencia-emocional/. Acesso em: 18 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: María Inés Gómez

Psicopedagogia (IES Alicia Moreau de Justo). Arteterapia (CAECE e SEUBE-UBA ).

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ).

Data de publicação: 20 junho, 2024
Última edição: 20 junho, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)