20 Exemplos de
Crônica curta

A crônica é um tipo de narração que apresenta uma série de eventos na ordem em que efetivamente ocorreram e tenta ser o mais explicativa e exata possível a respeito do tema que aborda. Por exemplo: a crônica do assalto a um banco.

Estes textos relatam e transmitem os acontecimentos de modo sequencial, ou seja, em ordem cronológica, com o objetivo de comunicar ao leitor os fatos de maneira clara e precisa. As temáticas que podem desenvolver são muito diversas: uma descoberta, um acidente automobilístico, um terremoto, um congresso, um recital, uma viagem, entre muitos outros.

As crônicas podem ter diferentes extensões: pode ser um livro completo ou um texto breve. Uma crônica curta é aquela que narra um evento social, cultural, esportivo ou de qualquer outra natureza de uma forma resumida, pois é um formato que costuma ser usado em gêneros informativos de meios de massa, como noticiários e jornais.

Para considerar: A crônica como gênero discursivo costuma situar-se entre a literatura e o jornalismo, dado que não apresenta as liberdades criativas próprias da ficção, mas costuma utilizar vários de seus recursos formais para abordar os fatos que se narram. Atualmente, os limites para estes gêneros já não são tão claros e há muitos debates sobre o assunto.

Características da crônica

As crônicas geralmente apresentam as seguintes características:

  • São narrações. Pertencem ao tipo de texto narrativo, pelo qual sua estrutura consta de um início, um desenvolvimento e um desfecho.
  • Estão situadas no tempo e no espaço. Os fatos acontecem em um momento e lugar determinados, que geralmente têm relevância para a história.
  • Compreendem um período de tempo limitado. Os fatos relatados são circunscritos a um momento ou a uma etapa definida.
  • Relatam um acontecimento central. Apresentam um eixo em torno do qual giram a história e os personagens (quando houver).
  • Podem usar recursos literários. Permitem a incorporação de figuras retóricas para dar mais vivacidade ou expressividade ao relato.
  • Admitem elementos subjetivos. O ponto de vista pessoal do cronista costuma ser importante para o que se narra, fazendo com que em um mesmo fato haja muitas crônicas possíveis.
  • Podem apelar à criatividade. Como é um gênero que se move entre a literatura e o jornalismo, permite certas liberdades criativas no momento da escrita.

Tipos de crônicas

Existem diferentes tipos de crônicas, segundo o fato que abordam e a sua finalidade:

  • Crônica jornalística. Trata-se de textos que normalmente aparecem nos meios de comunicação social, nos quais se narra cronologicamente uma série de fatos da realidade. Para isso, são utilizados diversos recursos, a fim de obter uma descrição minuciosa e que o leitor possa conhecer tudo o que aconteceu. O jornalista costuma testemunhar os fatos ou recolher testemunhos. De acordo com seu conteúdo, existem crônicas políticas, policiais, esportivas, culturais, de viagem, de sociedade, entre outras.
  • Crônica literária. São textos que se encontram entre o jornalismo e a literatura, pois podem combinar fatos com componentes criativos e ficcionais. Neste caso, o ponto de vista do autor é mais relevante e há o efeito estético. Por isso, costumam incorporar-se elementos subjetivos que dão conta da experiência vivida por quem narra, figuras retóricas e diversos recursos literários.
  • Crônica histórica. São textos nos quais se narram de maneira cronológica os fatos mais importantes sobre um lugar, uma pessoa ou um acontecimento do passado. Estas crônicas geralmente situam os acontecimentos em seu contexto e incluem documentos e testemunhos para provar a veracidade do relato. Às vezes, o autor pode ser uma testemunha ou uma pessoa que viveu na época em que ocorreram os fatos.

Cuidado: Os limites entre os diferentes tipos de crônicas nem sempre são claros. Alguns textos jornalísticos ou históricos podem aproximar-se mais do discurso literário, enquanto que há crônicas literárias que apresentam elementos próprios do discurso jornalístico ou histórico.

Exemplos de crônicas curtas

  1. Crônica jornalística de um acidente de carro

Mulher atropelada por motorista que foge

Na sexta-feira, 14 de março, Ana Rodrigues, uma jovem de 25 anos, saiu de casa no bairro de Leblon para o trabalho, que ficava a poucos quarteirões dali.

Ao cruzar a avenida Delfim Moreira, não percebeu que um carro vinha em sentido contrário e, ao não poder evitá-la, o veículo a atropelou.

A vítima foi levada de ambulância para o hospital mais próximo e, felizmente, teve alta ontem com ferimentos leves. O motorista do carro fugiu e ainda não se sabe o seu paradeiro.

  1. Crônica histórica de um acontecimento

O naufrágio do Titanic

No dia 15 de abril de 1912, teve lugar uma das maiores tragédias náuticas da história: o naufrágio do Titanic.

Aquela travessia era a viagem inaugural do navio, que partiu no dia 10 de abril de Southampton, Reino Unido e devia atravessar o oceano Atlântico até chegar a Nova York.

No entanto, na noite do dia 14 de abril, por volta das 23h40min, o Titanic chocou contra um gigantesco iceberg que quebrou o casco e a embarcação começou a afundar-se no mar.

O capitão ordenou usar os botes salva-vidas, mas não eram suficientes. Apesar das tentativas da tripulação para pedir ajuda via rádio, nenhum navio de resgate se dirigiu a eles. Assim, às 2h20min do dia 15 de abril, o Titanic encontrava-se já sepultado no fundo do mar.

Na tragédia perderam a vida 1600 pessoas dos 2207 que tinham embarcado para a viagem.

  1. Crônica literária de uma viagem

O primeiro dia das nossas férias

O ônibus saiu no dia 20 de fevereiro às 17 horas. Os próximos dez dias passaríamos com minha prima na cidade de Bariloche, província de Rio Negro, Argentina.

Ao chegar ao nosso destino, após 21 horas de viagem, entramos no quarto que nos dispôs o hotel: era espaçoso e tinha vista para um pequeno bosque. Depois de um banho quente, fomos ao centro para almoçar.

Depois de percorrer algumas quadras, encontramos um restaurante que nós duas gostamos e lá compartilhamos um prato de massas muito gostoso.

Aproximadamente às 14 horas, nós empreendemos a primeira excursão de nossas férias: a visita ao cerro Otto. A subida foi desafiadora, mas divertida: tiramos fotos e, uma vez lá em cima, pudemos visitar o museu e a confeitaria giratória. Da janela da confeitaria apreciamos o cerro Tronador, um vulcão inativo que tinha seu pico nevado.

Às 19 horas, decidimos iniciar o regresso. Uma vez no hotel, pedimos ao recepcionista algumas recomendações gastronômicas e saímos para jantar. Voltamos muito tarde e já nos deitamos: o primeiro dia de férias foi lindo, mas muito cansativo.

  1. Crônica jornalística policial

Assalto à concessionária em plena luz do dia

No dia 12 de julho, quatro criminosos entraram em uma concessionária de carros e levaram uma grande quantia de dinheiro.

Nesta quarta-feira, a concessionária abriu às 8 da manhã, como todos os dias. Minutos depois, quatro indivíduos entraram no local encapuzados e carregando armas de fogo.

Em questão de minutos, conseguiram render o guarda de segurança e o resto dos empregados, que foram obrigados a deitar-se no chão.

Os assaltantes levaram uma grande quantidade de dinheiro, já que conheciam a forma de burlar a segurança das caixas onde a concessionária guardava a arrecadação do dia.

Os ladrões fugiram e a polícia chegou ao local minutos depois, alertada pelos vizinhos que ouviram gritos e golpes. Os investigadores afirmaram que têm pistas sólidas para encontrar a banda, mas ainda não podem revelar mais informações.

  1. Crônica histórica sobre a independência do México

A longa luta pela independência do México

As notícias que chegavam da Europa eram alarmantes. Fernando VII havia abdicado do trono, pressionado pelas tropas invasoras da França bonapartista e a insurreição de 2 de maio havia se espalhado por toda a metrópole. Tudo isso colocava em apuros o vice-rei José de Iturrigaray, que tinha apenas cinco anos em seu cargo e se preparava para os atos de juramento e proclamação do soberano da Espanha e das Índias, como se nada acontecesse.

O vice-rei caminhava sobre pedras e ele sabia. A situação política e econômica do vice-rei não era muito boa. O eco das revoltas indígenas das décadas passadas ainda vibrava no ambiente e as reformas bourbônicas tinham conduzido a economia colonial à crise. E agora uma fenda se abria rapidamente sob seus pés: por um lado, os espanhóis peninsulares e a Real Audiência do México defendiam que tudo seguisse sem mudanças, pois a colônia devia ser fiel ao verdadeiro rei da Espanha, Fernando VII e não o usurpador colocado no trono pelos franceses; e no lado contrário, os crioulos e a Prefeitura do México pediam um governo autônomo, para paliar a ausência de Sua Majestade: uma Junta Governamental que estaria em vigor até que o trono voltasse às mãos da dinastia bourbônica.

  1. Crônica jornalística sobre o atentado às Torres Gêmeas

A queda das Torres Gêmeas em Nova York: o grande atentado terrorista que deu início ao século XXI

Culminava o primeiro ano propriamente dito do século XXI naquela terça-feira, 11 de setembro de 2001, sem que ninguém em Nova York nem em qualquer lugar do ocidente suspeitasse sequer dos acontecimentos que teriam lugar nessa manhã. Eventos que parecem retirados de um filme de Hollywood, mas que causaram danos muito reais e muito emblemáticos no coração da urbe americana: a destruição das Torres Gêmeas do World Trade Center e de todas as suas estruturas vizinhas.

Nesta manhã, os passageiros de quatro voos diferentes de quatro companhias aéreas americanas ocuparam os pequenos lugares no interior dos seus aviões. O voo 11 da American Airlines partiu às 8h do Aeroporto Internacional Logan, em Boston, rumo à cidade de Los Angeles. Levava 92 pessoas a bordo. Do mesmo aeroporto, mas 15 minutos depois, com 65 passageiros a bordo e indo para o mesmo destino, partiu o voo 175 da United Airlines. Ambas as aeronaves eram modelos Boeing 767, com uma envergadura média de 47 metros e um comprimento entre 40 a 60 metros.

  1. Crônica histórica sobre o Porfiriato

O Porfiriato, esse longo prelúdio à Revolução

Todos sabiam, no México do final do século XIX, quem era o general Porfirio Díaz. Muitos o conheciam como o “herói de 2 de abril”, já que havia estado no comando das forças mexicanas na tomada de Puebla de 1867. Outros lembravam dele porque concorreu duas vezes para a presidência do México com o próprio Benito Juárez, e quando foi derrotado pela segunda vez nas eleições, proclamou o Plano da Noria, opondo-se pelas armas à reeleição de Juárez.

“Porfírio da Noria”, como o apelidaram então, tampouco conseguiu ter poder nesse levante, mas a morte de Juárez em 1872 lhe proporcionou o terreno propício para abandonar as armas e retirar-se da vida pública. Sebastián Lerdo de Tejada assumia a presidência interina e ninguém havia suspeitado que esse mesmo Porfirio Díaz, mais tarde, governaria os destinos do México durante 31 anos.

  1. Crônica histórica sobre a Revolução Mexicana

A Revolução Mexicana, primeira revolução do século XX

É um domingo, 20 de novembro de 1910. Porfirio Díaz, conhecido pelo povo que o opõe como “o chorão de Icamole”, dada a maneira em que terminou seu discurso na Câmara de Deputados de 1874, governa o México com punho firme há quase 35 anos. E embora o país tenha prosperado economicamente, as massas camponesas empobrecidas foram deixadas no esquecimento e negando à oposição qualquer acesso às instituições do Estado.

Sopram os primeiros ventos de mudança. Não há muito tempo, o jornalista americano James Creelman, da revista Pearson’s Magazine, entrevistou Porfírio Diaz, que lhe garantiu que não se candidatará à reeleição.

  1. Crônica histórica sobre a conquista de Tenochtitlán

A conquista de Tenochtitlán

Decorria o ano 1-cana, equivalente no calendário dos invasores a 1519, quando chegaram ao México-Tenochtitlán as notícias dos avistamentos no litoral. Falava-se de barcos enormes como montanhas, povoados com homens brancos e barbudos, ávidos de ouro, mulheres e pedras preciosas e provenientes do oriente, tal como anunciava a lenda do retorno de Quetzalcóatl. Profetas e sacerdotes anunciavam o fim de uma era e o próprio Huey tlatoani, Moctezuma Xocoyotzin, rei dos mexicas, parecia convencido disso, depois de ter visto no céu o fogo espontâneo de um cometa sulcar a casa do deus Huitzilopochtli.

O monarca ordenou então construir atalaias em Nautla, em Toztlan e em Milanquactla, para vigiar o litoral, porque eram vários os povos que já tinham recebido os visitantes barbudos em Yucatán. A estratégia dos habitantes, para evitar os confrontos, consistia em dar-lhes aquilo de que se mostraram desejados, com a esperança de que se fossem logo e em paz. Pouco sabiam os moradores de Cozumel o que estava por acontecer.

  1. Crônica jornalística sobre a quarentena

Uma longa quarentena latino-americana

No dia 26 de fevereiro de 2020, as telas de nossos televisores se concentraram no Brasil: ali se detectou o primeiro caso latino-americano da nova doença por coronavírus que se espalhava pelo mundo, e a cujo estranho nome composto de siglas (vírus SARS-CoV-2, causador da doença COVID-19), muito em breve nos habituaríamos.

Já muitos sabiam que a chegada do vírus a nossos respectivos países era iminente: dois dias depois se anunciou o primeiro caso no México, no dia 3 de março o primeiro caso no Chile e na Argentina, no dia 6 de março na Colômbia e no Peru, no dia 9 no Panamá, no dia 10 de março na Bolívia, no dia 11 de março em Cuba… O vírus, estava claro, já tocava as nossas portas.

Mais exemplos de crônicas curtas

  1. Lula e PT se aproximam de Putin em meio a ofensiva diplomática da Rússia contra o Ocidente (Gazeta do Povo, 05 de abril de 2023).
  2. Coldplay abre série de 11 shows no Brasil e toca samba com Seu Jorge (Revista Veja, 11 de março de 2023).
  3. Chegada do homem à lua: 6 fatos sobre a Apollo 11 (Grupo Abril, Guia do Estudante, 21 de julho de 2021).
  4. Doidas e Santas –  Martha Medeiros (pensador.com, 27 de junho de 2023).
  5. Furto de flor – Carlos Drummond de Andrade (culturagenial.com, 27 de junho de 2023).
  6. Rodrigo e Mazzei viram o jogo, vencem última especial e faturam Rally Jalapão entre UTVs (Jornal O Hoje, 27 de junho de 2023). 
  7. Como superei a bipolaridade e decidi lutar contra o preconceito (Veja Saúde, 02 de junho de 2023).
  8. Metodologias, ferramentas e tecnologias a favor da eficiência: o recado da NRF 2023 (Revista Exame, 19 de janeiro de 2023).
  9. Suspeito para sempre (Caso de polícia)
  10. 8 crônicas engraçadas de Luis Fernando Veríssimo (Cultura genial)

Continue com:

Como citar?

Citar la fuente original de donde tomamos información sirve para dar crédito a los autores correspondientes y evitar incurrir en plagio. Además, permite a los lectores acceder a las fuentes originales utilizadas en un texto para verificar o ampliar información en caso de que lo necesiten.

Para citar de manera adecuada, recomendamos hacerlo según las normas APA, que es una forma estandarizada internacionalmente y utilizada por instituciones académicas y de investigación de primer nivel.

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

ZAMBRA, Cristina. Crônica curta. Enciclopédia de Exemplos, 2023. Disponível em: https://www.ejemplos.co/br/cronica-curta/. Acesso em: 7 junho, 2024.

Sobre o autor

Autor: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ).

Revisado por: Márcia Killmann

Licenciatura em letras (UNISINOS, Brasil), Doutorado em Letras (Universidad Nacional del Sur).

Data de publicação: 29 junho, 2023
Última edição: 4 agosto, 2023

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)