Exemplos de
Altruísmo

O altruísmo é uma atitude humana na qual as pessoas atuam em benefício de outros sem ter a expectativa de receber algo em troca, inclusive quando implica um sacrifício pessoal. O altruísmo é entendido como o antônimo do egoísmo, o qual se define como o interesse desmedido para consigo mesmo. O fim das ações altruístas sempre é o bem de outros. Por exemplo: fazer trabalho voluntário em uma ONG ou fazer uma doação de dinheiro anônima a um hospital.

O termo “altruísmo” foi cunhado pelo filósofo francês Auguste Comte (1798–1857) para definir um impulso social benevolente e opor-se ao impulso pessoal ou egoísta. Segundo Comte, ambos os impulsos influenciam o ser humano, e é necessário subordinar o egoísmo ao altruísmo para conseguir o bem-estar social.

Um comportamento altruísta é voluntário e sempre é desinteressado. Embora gere sentimentos positivos ou benefícios de qualquer tipo, é altruísta porque esses benefícios não são o fim da conduta.

Estudos biológicos mais recentes afirmam que o altruísmo aparece nos humanos aos 18 meses de vida, porque se observaram comportamentos de colaboração em bebês, sem esperar benefícios em troca. Por exemplo: ajudar espontaneamente a levantar objetos que caíram no chão.

Exemplos de altruísmo

  • Participar de uma instituição de caridade. As pessoas que participam doam tempo e dinheiro para beneficiar outras pessoas. Por exemplo: doar dinheiro a uma ONG.
  • Ajudar uma pessoa desconhecida. Trata-se de ajudar alguém apenas fazendo o bem. Por exemplo: quando uma pessoa está perdida na rua ou não conhece o idioma, aproximar-se para ajudar.
  • Cuidar do meio ambiente. Implica pensar no benefício daqueles que habitarão o planeta no futuro. Por exemplo: evitar o uso de produtos descartáveis.
  • Realizar trabalho voluntário. As pessoas que realizam trabalhos voluntários oferecem o seu tempo com o fim de ajudar outras pessoas ou grupos. Por exemplo: cozinhar em um refeitório comunitário.
  • Ensinar um ofício. Trata-se de compartilhar conhecimentos para que outras pessoas possam se desenvolver economicamente. Por exemplo: ensinar informática em um centro cultural.
  • Doar sangue e órgãos. A doação de sangue e a doação de órgãos são ações extremamente altruístas, na medida em que procuram o bem alheio sem esperar qualquer recompensa em troca. Por exemplo: doar sangue sem que ninguém o tenha solicitado.
  • Ajudar os colegas de aula. Trata-se de ajudar aqueles que precisam. Por exemplo: explicar um conteúdo que a pessoa compreende com facilidade.
  • Colaborar perante um desastre natural. Implica cooperar com as pessoas afetadas por fenômenos naturais que requerem ajuda comunitária. Por exemplo: ajudar as pessoas que perderam as suas casas em uma enchente.
  • Evitar que ocorra um crime. Trata-se de se envolver para evitar que outra pessoa sofra algum tipo de agressão. Por exemplo: chamar a polícia se houver uma tentativa de roubo.
  • Trabalhar em zonas de difícil acesso. Os profissionais que decidem trabalhar em zonas de difícil acesso estão expostos a situações que podem afetar a sua saúde ou pôr em risco a sua vida. Por exemplo: profissionais da saúde que atendem em zonas de guerra.

Abordagens sobre o altruísmo

Existem diferentes abordagens que dão conta da presença do altruísmo nas relações e sociedades humanas.

1. O altruísmo na religião

Na religião, o altruísmo está presente particularmente nas religiões vivas de hoje, que são o cristianismo, o judaísmo, o islã, o budismo e o hinduísmo. Todas elas se valem da relação entre o ser humano e Deus como o motivo para atuar de forma altruísta, ou seja, em benefício daqueles que mais necessitam.

A enorme quantidade de sacrifícios que realizam os personagens das histórias religiosas em favor dos seus povos muitas vezes são referências incontornáveis para a atitude dos fiéis. Por exemplo: no cristianismo, narra-se o sacrifício que Jesus realizou ao dar a sua vida por seus irmãos na terra e depois permitir que o crucifiquem para a salvação deles.

2. O altruísmo na filosofia

Na filosofia, o altruísmo é definido por diferentes posições. Alguns autores, como Jean-Jacques Rousseau (1712–1778), consideraram que o ser humano é um indivíduo naturalmente altruísta porque tem uma tendência à equidade e a evitar o sofrimento alheio. Para Rousseau, é a sociedade que corrompe a bondade natural dos seres humanos. Por exemplo: a desigualdade econômica faz com que as pessoas sejam individualistas.

Outros autores, como Thomas Hobbes (1588–1679), consideraram nos seus estudos o ser humano como um ser originalmente egoísta. Deste ponto de vista, os atos centrados no bem dos outros representam apenas uma forma de evitar o conflito e permitir o desenvolvimento individual. Por exemplo: cumprir as leis para evitar sanções.

3. O altruísmo na economia

Em economia, o altruísmo aparece em estudos sobre economias alternativas, onde se procura o bem comum. A economia altruísta questiona os pressupostos básicos da economia clássica, que supõem ao indivíduo unicamente como maximizador do benefício próprio. Ao contrário desta, a economia altruísta relaciona o bem-estar próprio com o das outras pessoas e aceita a possibilidade de renunciar a um lucro para favorecer alguém que está em desvantagem.

Do ponto de vista altruísta, a economia considera o benefício social em vez do individual. Por exemplo: uma fábrica que investe dinheiro e recursos para diminuir os seus índices de poluição.

4. O altruísmo na biologia

Em biologia, o altruísmo é entendido como um tipo de comportamento em que um organismo se põe em risco para proteger ou salvar outro.

O altruísmo biológico tem a ver com a sobrevivência de uma espécie e não com a moralidade. Quer dizer, não se rege por uma ideia do “bem”, mas por instinto. Por exemplo: quando uma formiga se sacrifica para salvar a sua rainha ou quando um macaco grita para avisar os outros de uma presença perigosa, colocando-se em risco.

O altruísmo biológico distingue-se do altruísmo humano porque carece de critério ético. O biológico é “obrigado”, porque não depende de uma decisão. O humano, ao contrário, responde à cultura e aos valores de uma determinada sociedade.

Continue com:

Referências

  • Montagud Rodríguez, R. (2010). Revisión histórica del concepto altruismo y prosocialidad. Biblos.
  • Soler Llorens, S. (2020). Altruismo y empatía [Tesis de grado]. Universidad de las Islas Baleares. Repositorio Institucional. https://dspace.uib.es/

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

GÓMEZ, María Inés. Altruísmo. Enciclopédia de Exemplos, 2024. Disponível em: https://www.ejemplos.co/br/altruismo/. Acesso em: 19 julho, 2024.

Sobre o autor

Autor: María Inés Gómez

Psicopedagogia (IES Alicia Moreau de Justo). Arteterapia (CAECE e SEUBE-UBA ).

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ).

Data de publicação: 22 junho, 2024
Última edição: 18 julho, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)