10 Exemplos de
Valor de uso e valor de troca

O valor de uso e o valor de troca são conceitos fundamentais na teoria econômica, associados com a teoria do valor e da troca de mercadorias.

  • Valor de uso. É a capacidade que tem um bem ou serviço para satisfazer uma necessidade ou proporcionar prazer com a sua posse. É determinado pela vida útil deste produto. Por exemplo: o valor de uso de um cobertor é a sua capacidade de abrigar.
  • Valor de troca. É o poder que tem um bem para ser trocado por outros bens ou serviços no mercado. É determinado por sua oferta e demanda. Por exemplo: o valor de troca de um cobertor é o preço a que pode ser comprado ou vendido no mercado.

Para considerar: o valor de uso e o valor de troca de um bem ou serviço podem variar com o tempo e com o lugar. Por exemplo, o valor de uso de um casaco de inverno será maior em um clima frio do que em um clima quente. O valor de troca de um bem ou serviço pode também ser afetado pela oferta e pela procura.

Exemplos de valor de uso e de valor de troca

Considerar a diferença entre o valor de uso e o valor de troca implica uma interpretação econômica, por isso serão analisados exemplos de valor, esclarecendo como se interpretaria em alguns casos.

Exemplos de valor de uso

  1. O valor de uso da água potável é alto porque é essencial para a sobrevivência humana ao satisfazer a sede e facilitar a higiene.
  2. O valor de um medicamento corresponde ao seu consumo pela única vez para ajudar à cura de um padecimento ou doença.
  3. O valor de uso de uma máquina é a capacidade de produzir sem ser desgastada.
  4. O valor de uso de um computador será diferente para uma criança do que para um desenvolvedor de software.
  5. O valor de uso de um vegetal poderá ser o consumo ou a sua utilização na elaboração de outro alimento.

Exemplos de valor de troca

  1. Uma empresa que fabrica barcos produz duas embarcações em um dia e pode trocar por outra mercadoria que também se produz em um dia, como um automóvel.
  2. Um computador que alguém já não usa pode ser trocado por uma bicicleta, enquanto o portador da primeira necessita da segunda e vice-versa.
  3. Um agricultor tem um excedente de batatas e um padeiro tem um excedente de pão, por isso se trocam os produtos.
  4. Um mecânico tem muita procura, mas pouco tempo livre e um estudante de mecânica tem muito tempo livre e precisa de dinheiro, então o mecânico lhe oferece trabalhar em seu estabelecimento em troca de um salário.
  5. Uma pessoa precisa de uma máquina de lavar roupa e paga com dinheiro.

Diferenças entre o enfoque clássico e o enfoque marxista sobre o valor

A questão do valor suscitou vários debates na discussão econômica, na medida em que uma grande quantidade de estudiosos da matéria se perguntaram qual era o motivo pelo qual as pessoas decidiam trabalhar e trocar o produto de seu trabalho por outros bens.

Toda a discussão sobre a teoria do valor traz consigo uma série de controvérsias que são estudadas na economia e que muitas vezes têm arestas relacionadas à filosofia.

1. Economia clássica

A teoria da economia clássica, fundamentada por Adam Smith no final do século XVIII, supõe que o trabalho gera valor ao transformar matérias-primas em bens úteis, ou seja, que o valor de um bem é determinado pela quantidade de trabalho que se requer para produzi-lo. As trocas de valor nos bens existem, mas por trás delas está invariavelmente o trabalho depositado para a sua transformação, que é o padrão definitivo e invariável do valor.

Mais tarde, David Ricardo tomou a teoria de Smith e a complementou, considerando que existem dois tipos de bens, aqueles que são reproduzíveis (dependem do trabalho depositado em sua realização) e aqueles que não o são (dependerão da escassez).

Ambos os economistas, no entanto, distinguiram entre a valorização como consumo e a utilização dos bens em relação à valorização para a troca.

2. Correntes alternativas: austríacos e marxistas

A corrente mais ortodoxa econômica que se dedicou ao estudo minucioso do valor é a escola austríaca, pois considera que o valor que os consumidores atribuem ao produto se relaciona com as necessidades, que são em primeira instância individuais e particulares. O valor, para esta corrente, não se produz nem pode produzir: a produção só gera bens que têm valor a partir da consideração que os consumidores fazem deles.

Por sua vez, a teoria marxista, uma das mais importantes do século XIX, tem um olhar sem precedentes sobre o valor. Sustenta que o valor de uma mercadoria deriva do tempo de trabalho socialmente necessário para a produzir, e considera as condições técnicas e sociais predominantes em uma economia determinada.

O valor de uma mercadoria não está simplesmente ligado ao esforço individual do trabalhador, mas às relações sociais e estruturas econômicas mais amplas. A teoria do valor de Marx é parte integral de sua crítica ao capitalismo, que argumenta que o sistema capitalista explora a força de trabalho ao extrair mais-valia (trabalho não remunerado) dos trabalhadores através do processo de produção capitalista.

Referências

  • Sánchez-Serna, A. D. S., & Arias-Bello, M. L. (2012). Concepción de valor y precio desde Aristóteles a los clásicos: una reflexión a la luz de las premisas de valoración de las Normas Internacionales de Información Financiera, NIIF. Cuadernos de contabilidad, 13(33), 433-462.

Como citar?

Citar a fonte original da qual extraímos as informações serve para dar crédito aos respectivos autores e evitar cometer plágio. Além disso, permite que os leitores acessem as fontes originais que foram utilizadas em um texto para verificar ou ampliar as informações, caso necessitem.

Para citar de forma adequada, recomendamos o uso das normas ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que é uma entidade privada, sem fins lucrativos, usada pelas principais instituições acadêmicas e de pesquisa no Brasil para padronizar as produções técnicas.

As citações ou referências aos nossos artigos podem ser usadas de forma livre para pesquisas. Para citarnos, sugerimos utilizar as normas da ABNT NBR 14724:

, Equipo editorial, Etecé. Valor de uso e valor de troca. Enciclopédia de Exemplos, 2024. Disponível em: https://www.ejemplos.co/br/valor-de-uso-e-valor-de-troca/. Acesso em: 18 julho, 2024.

Sobre o autor

Traduzido por: Cristina Zambra

Licenciada em Letras: Português e Literaturas da Língua Portuguesa (UNIJUÍ).

Data de publicação: 25 junho, 2024
Última edição: 25 junho, 2024

Esta informação foi útil para você?

Não

    Genial! Obrigado por nos visitar :)